13 de junho de 2009

E quanto a isso?

O dia dos namorados passou, e adivinhe como eu passei esse dia? Sozinha, vendo filmes.! :D
Não sei o motivo da ênfase que eu dei a essa frase, porque não foi muito animador. Hoje eu estava lendo o post de um dos integrantes do blog, e decidi escrever um pouco sobre o assunto que foi abordado na postagem. Acredite, pode não parecer mas eu tenho certa sensibilidade pra esse tipo de coisa, porém.. Só quando me convém.
Tenho me analisado ultimamente e refleti sobre muita coisa. Sempre me fodo com o tal do relacionamento a dois. Acho que muitos aqui devem saber como é valorizar uma pessoa e não receber 1% disso em troca. É claro, que valorizamos sem esperar que algo retorne, mas quando não vemos o retorno, ficamos deprimidos, transtornados e até mesmo loucos, dependendo da profundidade da situação. Confesso que enlouqueci, e que durante muito tempo aprendi com muita coisa em relação ao amor. Mas, será que ele realmente existe? Vejamos o seguinte. Cada pessoa tem uma concepção sobre ele.. Uns pensam que somente é um sentimento, outros que é sensação, e enfim.. Ninguém chega a nenhuma conclusão. .-.
Deixarei o que penso sobre o amor: É algo que não se define em apenas uma palavra, ou em apenas uma frase. Apenas o sentimos, e não se trata apenas de sentimento ou sensação. Nós o presenciamos até mesmo sem saber. É um conjunto de elementos que o forma, que dá sentido. Mas até onde esse amor deve ser levado em consideração? Por que afinal eu realmente não sei até onde. Quem aqui nunca sofreu por amor? Típica frase, eu sei. Mas alguém aqui sabe, como é amar alguém em segredo e se desmanchar pelos cantos quando se está na presença dessa pessoa? Ou dizer coisas a ela que poderiam ser levadas como uma declaração e simplesmente ser deixado pra trás? Fazer o possível pra ver aquela pessoa bem e feliz, e não ser reconhecida? Até mesmo fazer planos, talvez inutilmente.
Considero que tenho um grau de frieza elevado em mim, mas quando gosto ou amo alguém, sou como uma criança que sente o prazer em ganhar um brinquedo e depois brincar com ele. Mas que de certa forma, não enjoa do brinquedo a menos que ele estrague, ou suma. Então, acaba sentindo falta daquele brinquedo, e não se recupera facilmente até ganhar outro que esteja a altura do antigo ou que seja melhor, o que é muito difícil.
Gosto de usar as metáforas pra dizer coisas, acho interessante. Pode ter ficado um pouco confuso isso tudo aqui, mas escrevi em partes. Eu realmente me sinto estranhamente amando alguém, mas não sei como devo prosseguir. Confesso que me encontro perdida novamente, dentre essas palavras que partem de não sei onde em mim.. Sabe, eu só queria amar alguém e ter a certeza de ser correspondida, poder me doar àquela pessoa sem se preocupar com o que iriam pensar, poder fazer de tudo para agradar sem medir esforços, e simplesmente poder olhar e dizer o quanto eu a amo e o quanto a quero bem, fazer cada momento ser único e insubstituível.
Será que o verdadeiro amor existe?
Não espero a pessoa perfeita, nem o relacionamento perfeito. Isso não existe. Só espero amar e ser atendida em relação às minhas expectativas quanto a alguém e poder completar a vida de alguém incondicionalmente.


Sei que ficou uma merda, de repente as idéias sumiram :S

4 comentários:

Locke disse...

Paula
hoje eu não me identifiquei com uma parte do seu post, me identifiquei com ele todo! comofas?

eu entendo a situação em que você se encontra, acho que estou na mesma, mas tenho mania de me cegar diante das coisas que acontecem achando que isso vai resolve-las sem que eu precise fazer algo. acho que vou ficar encima do muro até que eu sobre, denovo, rs.

Enfim, seu post não ficou uma merda, vc é louca!
sauishauishauishuaisa

eu gosto do que vc escreve o/
bgs gatira :*

# nah disse...

eu sempre acho que aprendo, sempre tenho ótimas teorias e por vezes textos apresentáveis e decidos sobre o assunto.
mas insisto em cair no mesmo abismo repetidas vezes. acreditar que vai ser diferente? não acredito jamais!
sei que vou percorrer exatamente o caminho, talvez por conhecê-lo bem minha antecipação faça com que certo tempo proveitoso seja desperdiçado, mas pensando bem, talvez o que me atraia no amor é justamente a enlouquência dos amantes, o fim dos limites estabelecidos por nós, a ausência dos medos na mente que se permite sonhar, até aquela mais tímida que insiste no segredo. aquilo de apenas permitir ser. pena que provou por vezes ser apenas efeito temporário.
agora o engraçado está sobre que o que me enlouquece, intrigante pois é ser inicialmente correspondida.
minha sanidade e coerência não nasceu para amores incompletos, talvez para aqueles não iniciados, mas isso é algo que ainda preciso experimentar. rs

desejo-te sorte mesmo (YN)

Paula disse...

Ah, Locke. (:
Eu realmente fico muito feliz em saber que você se identifica com o que escrevo. Realmente escrevo com a mente e coração abertos. Eu realmente queria ter escrito mais coisas, mas acho que naquele momento eu não consegui me expressar mais. Algo estranho me invadiu na hora, sabe? :/
Mas olha, esse blog está me fazendo muito bem de certa forma. É bom compartilhar coisas com pessoas que passam por situações semelhantes..

beeijo gatchênho :*

Paula disse...

Pois então, nah.. Não sei se o pior é inicialmente ser correspondida e depois ser deixada de lado ou não ser correspondida. Acho que a primeira opção deve é pior. O complicado é que sempre me fodo em qualquer relacionamento sabe? Não sei o que faço de errado. Ou ás vezes me dedico muito e acabo perdendo sempre mesmo. Realmente não sei como prosseguir. Enfim, obrigada. Sorte para nós (:

Postar um comentário

 

Mente vazia a todo vapor 2010 | Layout por @vtkosq